“Um Lugar Para os Apaixonados por Séries”

Seja bem vindo! | Versão: 2.o

29 de Abril de 2018 Destaques Filmes Review
Resenha | Vingadores: Guerra Infinita – Um Mega Evento Típico de HQ!
Resenha | Vingadores: Guerra Infinita – Um Mega Evento Típico de HQ! (Reprodução)

Mega Eventos são recorrentes nos quadrinhos da editora Marvel. Uma grande ameaça ou conflito que promete causar grandes mudanças para os personagens envolvidos, causando um grande crossover, unindo heróis de diversos títulos em um só. 10 anos atrás jamais seria imaginado pelo público que seria possível ter isso nos cinemas, afinal como seria possível unir vários personagens em um só filme, dando espaço de tela para cada um sem parecer forçado? Vingadores provou em 2012 que isso é sim possível ser traduzido para a sétima arte, e ainda prometeu em uma de suas duas cenas pós-créditos uma ameaça maior, que, hoje, 2018, uniu muito mais que apenas os seis dos membros originais desse Universo Cinematográfico em Vingadores Guerra Infinita.

» Siga o SOS no Facebook , Instagram e no Twitter e receba todas novidades das séries! «

Cada personagem é inserido em núcleos de enredo que se conectam a uma ameaça em comum, o titã louco Thanos. É muito fácil comparar esses núcleos com tie-ins de mega-eventos, aqueles títulos que, apesar de serem publicados em revistas diferentes, fazem parte do mesmo arco, como uma novela. E mesmo que todos os personagens não se encontram em uma mesma cena, de certa forma há a ameaça em comum, nesse caso, Thanos e sua Ordem Negra que os une em um mesmo objetivo. Todos os núcleos são importantes, dando espaço para desenvolver cada personagem de forma natural.

Guerra Infinita prende do início ao fim com seus vários acontecimentos ao mesmo tempo

 

A expressão “O tempo está voando!” nunca fez tanto sentido. Ouvir pessoas fazendo a pergunta “Em qual ordem devo assistir?”, questão típica para séries de filmes longos que não seguem uma sequência numérica, tornando um pouco confuso para quem quer assistir ao novo filme, como Harry Potter, Senhor dos Anéis e Star Wars, mas dessa vez sendo direcionada para filmes de super-heróis é surpreendente! Já são 10 anos do Universo Cinematográfico Marvel, 19 filmes, e o tempo está passando tão rápido que as 2 horas e 40 minutos de Vingadores Guerra Infinita pareceram apenas 1 hora de filme! Talvez seja a quantidade de núcleos, talvez seja a ação desenfreada e cenas impactantes, talvez o conjunto todo, mas Guerra Infinita prende do início ao fim com seus vários acontecimentos ao mesmo tempo.

A essa altura do campeonato não haveria espaço para reapresentar cada personagem e seu background, mas o filme não exige de mais de um novo espectador. Logo no início são dados breves resumos sobre acontecimentos anteriores da melhor forma possível, como uma conversa normal, sem precisar de um “Anteriormente em Vingadores…” como em seriados, e isso graças ao roteiro. O argumento para um breve resumo se dá ao encontro de personagens que há muito tempo não se viam e que perderam alguns dos dramas entre o time, e isso foi genial. Em uma conversa breve, o personagem que espelha a pessoa que assiste ao filme e não assistiu ou esqueceu dos anteriores, se estabelece dentro do enredo, enquanto já parte para outra cena de ação.

Thanos é responsável por uma das cenas mais pesadas vista em um filme MCU

 

É tudo rápido e emergente. Inevitavelmente cada cena guia a trama para um outro conflito, acompanhado de mais um. Aqui o termo Guerra funciona bem mais do que em Civil, o terceiro longa do Capitão América. As cenas rápidas que levam à ação constante lembram muito histórias em quadrinhos. O clima é sério apesar de algumas cenas engraçadas, que dessa vez ocorrem em momentos certos, sem estragar pesos dramáticos, como na comédia fora de tempo de Thor Ragnarok. Aliás, em questão de drama, seguido de Pantera Negra, Guerra Infinita é o que mais respeita essas cenas, sendo responsável por inúmeras cenas intensas bem raras nesses 10 anos de Marvel Studios.

Não é um filme só do time Vingadores, não porque há espaço para o núcleo de Wakanda ou dos Guardiões da Galáxia, que um de seus membros possui papel crucial e dramático no longa, mas porque tudo gira em torno do melhor vilão cinematográfico do estúdio, Thanos. É uma ameaça que eleva a tensão nos personagens. Seus atos são de tirar o fôlego. Thanos é responsável por uma das cenas mais pesadas vista em um filme MCU ao executar um personagem logo na cena de abertura do filme.

Suas motivações foram alteradas em comparação aos quadrinhos, de forma mil vezes melhor. Não que o arco escrito por Jim Starlin, que recentemente brigou e saiu da editora, seja ruim, mas a adaptação funciona melhor dessa forma para os cinemas, sendo mais “pé no chão” dentro do possível. Há o elemento da empatia com o vilão, tornando-o menos caricato, caso semelhante com Loki, antagonista em Vingadores e Thor e Killmonger, de Pantera Negra, ambos agora acompanhando Thanos na categoria de melhor vilão do MCU. Também, ele vem sendo apresentado desde o primeiro filme do time de heróis. Era mais que obrigação ser bom.

Analisar como apenas um filme é muito fácil de encontrar vários pontos positivos, mas como nos acostumamos em sempre pensar nos próximos filmes, fazer teorias sobre que pode acontecer no futuro desse universo compartilhado, o clímax perde um pouco de seu peso. Sem muitos spoilers, mas a própria agenda de filmes do estúdio já revela algumas coisas contraditórias em relação ao seu final. Diversas teorias já existem a respeito disso, mas se metade delas forem o certo, o ponto negativo das histórias em quadrinhos sobre consequências não ter um longo prazo pode chegar aos cinemas, e ainda não se sabe se isso pode ser bem visto pelos olhos desse tipo de público.

Vingadores Guerra Infinita é o maior filme de heróis de todos os tempos!

 

Há alguns personagens que tiveram seus poderes limitados. Ao longo de todos os filmes já lançados, já vimos o que cada um pode fazer, então pode ser um pouco frustrante ver certos personagens terem seus poderes diminuídos. Alguns são justificados dentro do roteiro, enquanto vários outros personagens utilizam suas habilidades de forma excelente, sendo essenciais nas batalhas, mas no caso de Feiticeira Escarlate não. Para quem acompanha as histórias em quadrinhos é agonizante ver como seus poderes são subestimados nos filmes. Sendo justo, nos cinemas seus poderes nunca foram mostrados como no mesmo patamar das HQs, porém muitos fãs estavam esperando ver a Wanda mais forte depois do tempo passado entre Guerra Civil e Guerra Infinita. Isso não é um ponto negativo considerando a personagem na versão cinematográfica, não sendo nenhum retrocesso, apenas uma reclamação de um fanboy. Aliás, seu enredo com Visão foi sendo desenvolvido desde Era de Ultron de forma bem mais natural que Viúva Negra e Bruce Banner.

Se havia preocupações de que, como seria apenas um filme com muitos heróis ao mesmo tempo, poderiam dar espaço apenas para nomes grandes como Homem de Ferro, Capitão América, Homem-Aranha etc. Os principais tem momentos ótimos, mas os secundários também são excelentes! Mantis, que recentemente se juntou aos Guardiões da Galáxia no segundo filme solo do grupo, se destaca na comédia sutil, sendo um easter egg engraçado em uma cena desfocada, e em uma memorável cena de ação utilizando suas habilidades!

Não é exagero dizer que esse é um dos melhores filmes do gênero. Fãs e até mesmo os que não acompanham estavam de olhos nesse evento cinematográfico jamais feito antes, juntando vários personagens em um só. Mais um trabalho competente dos irmãos Russo, que vem acertando no estúdio desde Capitão América: Soldado Invernal e tem seus dois filmes antes de Guerra Infinita em nosso Top 10 de melhores filmes do Universo Marvel. Foram capazes de unir em um só filme diversos núcleos, respeitando os diferentes estilos de cada personagem, times e filmes anteriores, pegando um pouco do que já havia sido mostrado por outros diretores e inserindo em seu estilo mais sério. Vingadores: Guerra Infinita é o maior filme de heróis de todos os tempos!

Vingadores: Guerra Infinita estreou no Brasil no dia 26 de abril de 2018, sob a direção de Joe e Anthony Russo, com Angela Bassett, Annie Pisapia, Anthony Mackie, Benedict Cumberbatch, Benedict Wong, Benicio Del Toro, Blair Jasin, Bradley Cooper, Callan Mulvey, Chadwick Boseman, Chris Evans, Chris Hemsworth, Chris Pratt, Danai Gurira, Dave Bautista, Don Cheadle, Elizabeth Olsen, Ethan Dizon, Florence Kasumba, Floyd Anthony Johns Jr., Gwyneth Paltrow, Hye Jin Jang, Idris Elba, Isabella Amara, Jeremy Renner, Jon Favreau, Josh Brolin, Karen Gillan, Kerry Condon, Letitia Wright, Linda Cardellini, Mark Ruffalo, Matthew Zuk, Michael Pierino Miller, Paul Bettany, Paul Rudd, Perla Middleton, Peter Dinklage, Pom Klementieff, Robert Downey Jr., Scarlett Johansson, Sean Gunn, Sebastian Stan, Terry Notary, Tiffany Espensen, Tom Hiddleston, Tom Holland, Tom Vaughan-Lawlor, Vin Diesel, Winston Duke e Zoe Saldana no elenco. (Muita gente!)

 

 

Confira outras resenhas dos filmes MCU:

Comentários
Queremos saber o que você pensa! Este espaço é especialmente para você deixar seus comentários. Deixe sua opinião e nos ajude a construir um Sons of Series cada vez melhor e mais completo. Debates são super bem vindos, desde que as opiniões sejam respeitadas e expressas de maneira educada e sem ofensas gratuitas. Caso observe qualquer tipo de conteúdo preconceituoso ou ofensivo, por favor, não exitem em nos contactar!