“Um Lugar Para os Apaixonados por Séries”

Seja bem vindo! | Versão: 2.o

10 de Julho de 2017 Filmes Review
Resenha | Okja – Vale a pena chorar de novo


Resenha | Okja – Vale a pena chorar de novo (Reprodução)

Fala pessoal, beleza?

» Siga o SOS no Facebook , Instagram e no Twitter e receba todas novidades das séries! «

Hoje vamos chorar falar sobre OKJA, que no momento (07/2017) é um dos filmes produzidos pela Netflix mais comentados.

Okja e Mija

Não é de agora que o cinema aborda a questão de lutas sociais. Além do recente Corra, um ótimo filme que bate na tecla do racismo, Okja por sua vez, nos surpreende intensamente falando sobre um assunto muito imporatente, mas muitas vezes pouco pouco comentado, que é o direitos dos animais.

Apesar de Okja ter sido produzido pela Netflix (EUA) o filme foi dirigido por Joon-Ho Bong, um diretor Sul-Coreano, que para mim é um ponto positivo para o longa, essa pegada oriental é muito valiosa e traz um toque oriental muito importante. Como sabemos, filmes com roteiros orientais tendem a ser ótimos e muitas vezes a nos fazer chorar, exemplos certeiros são: Sempre ao seu lado (2009),  Os Infiltrados (2006) e O Chamado (2003).

Que os caras são bons a gente não pode negar.

Okja (2017)

O diretor Joon-Ho Bong conseguiu fazer uma coisa que poucos diretores conseguem, que é conciliar um roteiro relativamente parado na maioria do tempo e ainda assim prender nossa atenção. Pelo filme mexer com nosso emocional, ficamos apreensivos à cada corte e esperamos ansiosos o desfecho dos sub-plots.

O elenco é surpreendente, Jake Gyllenhaal interpreta uma especie de Richard Rasmussen meio caricato, que apesar de parecer meio ridículo tem uma importância relevante na trama. Paul Dano está fantástico interpretando o líder da ALF (animal liberation front), com uma atuação minimalista consegue carregar a o peso do personagem muito bem, Seo-Hyeon Ahn é o fio condutor, a atriz é jovem e ainda fica meio perdida em determinadas cenas, talvez eu não esteja tão acostumado com atrizes Sul-Coreanas, mas o sotaque é bem forte.

Steven Yeun, o nosso eterno Glen teve uma atuação boa, mas nada excepcional, e a Tilda Swinton fez o que foi paga para fazer.

No geral é um filme ótimo, muito forte, importante para os dias atuais que nos faz refletir sobre algumas questões importantes. É praticamente impossível não se emocionar e não simpatizar com a história, vale muito a pena!

E aí? O que acharam do filme? Deem sua opiniões e sugestões nos comentários do post e nas nossas redes sociais.

E vejam outros posts de Análise.

 

Comentários
Queremos saber o que você pensa! Este espaço é especialmente para você deixar seus comentários. Deixe sua opinião e nos ajude a construir um Sons of Series cada vez melhor e mais completo. Debates são super bem vindos, desde que as opiniões sejam respeitadas e expressas de maneira educada e sem ofensas gratuitas. Caso observe qualquer tipo de conteúdo preconceituoso ou ofensivo, por favor, não exitem em nos contactar!