“Um Lugar Para os Apaixonados por Séries”

Seja bem vindo! | Versão: 2.o

14 de Abril de 2018 Animes Review
Review | Vale a pena apostar em Kakegurui?
“Num mundo capitalista, dinheiro é vida.”

Review | Vale a pena apostar em Kakegurui? (Reprodução)

Kakegurui foi uma das apostas de anime mais promissores na temporada de verão de 2017. As primeiras impressões do público foram bem acima da média, seja pela qualidade da animação, seja pelas expressões do personagens. Mas, será que o anime conseguiu cumprir as expectativas criadas?

» Siga o SOS no Facebook , Instagram e no Twitter e receba todas novidades das séries! «

Kakegurui estreou em julho de 2017 no Japão e foi produzido pelo estúdio MAPPA (o mesmo responsável pelos aclamados Yuri!!! On Ice, Inuyashiki e Shingeki no Bahamut). O anime veio para a plataforma de streaming Netflix após a temporada ser finalizada e dublada, o que ocorreu agora no começo de 2018. Kakegurui adapta um mangá homônimo criado por Homura Kawamoto(roteiro) e Tooru Naomura(arte), que está sendo lançado desde 2014 e já possui 9 volumes, até o momento.

A trama se passa no colégio particular Hyakkaou, frequentado apenas por alunos ricos da elite, filhos de milionários e políticos, idols, herdeiros de grandes empresas… Enfim, gente com muito poder aquisitivo. Entretanto, toda a hierarquia dos alunos na escola e determinada de uma forma de peculiar: através de jogos de azar com apostas altíssimas. Os alunos que mais vencem essas partidas, além de ganhar mais dinheiro, ganha glória e poder dentro da escola. Em contra partida, os 100 piores alunos (ou seja, os que devem muito dinheiro pra muita gente), são tratados como animais de estimação e humilhados perante toda a escola, até que consigam elevar sua posição hierárquica e diminuir sua dívida.

Podemos analisar essa humilhação logo no começo do anime, numa das primeiras cenas, quando somos apresentados ao jovem Ryōta Susui, que é utilizado como apoio para os pés da aluna Mary Saotome, perante sua dívida com a mesma. Vários alunos possuem grandes dívidas com Mary, o que a torna muito poderosa dentro do ambiente escolar. Logo essa história muda, com a chegada de Yumeko Jabami, uma garota misteriosa e apostadora compulsiva (daí vem o nome do anime, queno ocidente é Compulsive Gambler).

Logo, toda a organização social da escola muda, já que Jabami quer jogar com todo o Grêmio Estudantil da escola, que é formado pelos maiores jogadores da escola. E não pensem que são partidas justas não, cada jogador possui suas trapaças, o que dificulta cada vez mais os jogos. E, além disso, Jabami não tem mesmo medo de apostar cada vez mais alto, e não estamos falando só de dinheiro: no decorrer da história, começam a ser apostadas unhas, empresas e até o plano de vida dos alunos envolvidos.

Kakegurui chama a atenção pelos seus jogos, que são verdadeiros combates psicológicos entre os jogadores. Desde o mais simples, como um jogo da memória, até o complexo poker indiano são vistos no anime. Além disso, o traço do anime é lindíssimo, e vale a pena destacar as expressões exageradas dos momentos de triunfo dos personagens, que são detalhadas que chegam até a dar medo. Sabe quando Light Yagami, em Death Note, está conversando consigo mesmo sobre seus planos de fazer um Novo Mundo, seus olhos ficam vermelhos e suas expressões alteradas? Então, multiplique isso por 100.

Em certo momento do anime, é possível que você reflita sobre a possibilidade de todos os personagens terem algum tipo de distúrbio psicológico. É possível ver que alguns dos maiores apostadores tem uma fixação anormal em algo muito bizarro, como unhas, status social ou por em risco a própria vida em uma série de brincadeiras de roleta russa. Isso torna as expressões exageradas cada vez piores, o que cumina no aumento da tensão durante as partidas.

O enredo de Kakegurui se desenrola de uma maneira bem rápida e fluente, apesar de ser um pouco previsível. É bem interessante saber como será o desfecho de cada uma das partidas. Porém, o anime peca justo do episódio final. Todos os episódios anteriores são cheios de tensão e momentos de surpresa que preparam para uma grande partida final. Quando finalmente chegamos no episódio, ele é xoxo e sem nenhuma emoção, sendo um dos jogos mais bobos da primeira temporada e com uma aposta pouco arriscada em comparação com as anteriores. Isso, talvez, se dê ao fato de que é o único episódio filler, ou seja, o único que não segue a história do mangá.

Outro ponto é a hipersexualização desnecessária das personagens femininas. Não é algo que chega a atrapalhar o anime, mas são cenas que simplesmente não precisavam estar lá. Contudo, não é algo corriqueiro no anime, ocorrendo apenas algumas vezes durante certos episódios (e várias vezes na abertura).

Falando nisso, a trilha sonora do anime é diferenciada, mais puxada para o Jazz, dando essa ideia de cassino e jogatina. A abertura mostra bem essa ideia da musica, combinada com uma arte também muito boa.

Apesar de alguns deslizes, Kakegurui é um anime muito bom e que vale a pena ser assistido. O atualmente, possui um total de 12 episódios reunidos em 1 temporada. Porém, uma segunda temporada já foi anunciada, o que não gerou muita surpresa, uma vez que o último episódio, apesar de ser um fiasco, deixou um gancho enorme para uma continuação na história. Kakegurui também possui uma série live action com o mesmo nome, que foi ao ar pela primeira vez em janeiro de 2018 no Japão, mas que não foi muito bem visto pelos fãs.

Confira também outras reviews de animes clicando aqui.

Comentários
Queremos saber o que você pensa! Este espaço é especialmente para você deixar seus comentários. Deixe sua opinião e nos ajude a construir um Sons of Series cada vez melhor e mais completo. Debates são super bem vindos, desde que as opiniões sejam respeitadas e expressas de maneira educada e sem ofensas gratuitas. Caso observe qualquer tipo de conteúdo preconceituoso ou ofensivo, por favor, não exitem em nos contactar!